VAMPIRO ENTORPECIDO AGITA OS BASTIDORES DE BRASÍLIA!!!

A casa caiu literalmente: a confraternização de alguns deputados distritais na casa do empresário e deputado distrital José Gomes (PSB-DF), deu início a uma rusga entre o empresário Eduardo Pedrosa, pai do deputado Eduardo Weine Pedrosa (PTC-DF) com o Secretário de Estado de Projetos Especiais, Everardo Ribeiro Gueiros Filho. O teor alcoólico dos convidados de Zé Gomes alcançou o limite e algumas verdades escondidas por interesses financeiros vieram à tona.  

Eduardo Pedrosa, com dedo em riste na cara de Everardo deu o recado: “se a licitação dos estacionamentos públicos de Brasília for vencida pela empresa que fez acerto com vocês, vão todos parar na cadeia. Tenho provas do pagamento de propinas” . ‘Vevé’ como Everardo é apelidado, ficou estático diante dos deputados e saiu cabisbaixo. Entre os deputados estava o presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), Rafael Prudente (MDB-DF). Para alguns distritais que presenciaram a cena o recado não foi novidade.


Na última sexta-feira, no Lago Restaurante, no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, acontecia uma confraternização em que novamente participavam Eduardo Pedrosa e o filho deputado, o presidente da CLDF Rafael Prudente e alguns secretários do governo Ibaneis Rocha (MDB-DF), entre eles Everardo Gueiros. De repente a troca de olhares denunciava o crime quando Eduardo toma satisfação com Vevé e começou a pancadaria. Cadeiras, garrafas e mesas foram arremessadas se estendendo a outros convidados que tomaram partido de um ou de outro lado generalizando a quebradeira.

Rafael Prudente que acompanhava Eduardo Pedrosa, percebendo o escândalo, saiu de fininho entre mesas, cadeiras, socos e pontapés deixando para trás um caso de polícia se não fosse o envolvimento de pessoas graduadas do governo Ibaneis. O resultado foi trágico, com prejuízo gigantesco. Garçons agredidos indo para o hospital. Convidados que não sabiam o real motivo da confusão saindo machucado. E como se diz nos bastidores em Brasília: ”são histórias contadas em livros de páginas coladas, onde só a sociedade toma conhecimento da podridão.