Vampiro Eduardo Pedrosa “pai” esta nesse assunto, PF já esta investigando e pode ir em cana nas próximas horas….

Operação do MP apura superfaturamento no valor de R$ 30 milhões em cima de contratos que somam R$ 73 mi na compra de testes de Covid-19

Falso Negativo: secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo é preso!

O secretário de Saúde do Distrito Federal, Francisco Araújo (foto em destaque), foi preso preventivamente durante operação deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) na manhã desta terça-feira (25/8). A ação apura o superfaturamento de R$ 30 milhões em cima de contratos que somam R$ 73 milhões na compra de testes de Covid-19 pelo Governo do Distrito Federal (GDF). O prejuízo estimado pelo MP aos cofres públicos é de R$ 18 milhões.

Além de Araújo, que foi detido em casa, no Setor Noroeste, são alvo de prisão preventiva: Ricardo Tavares Mendes, ex-secretário adjunto de Assistência à Saúde; Eduardo Hage Carmo, subsecretário de Vigilância à Saúde; Eduardo Seara Machado Pojo do Rego, secretário adjunto de Gestão em Saúde; Jorge Antônio Chamon Júnior, diretor do Laboratório Central (Lacen); Iohan Andrade Struck, subsecretário de Administração Geral da Secretaria de Saúde do DF; e Ramon Santana Lopes Azevedo, assessor especial da Secretaria de Saúde.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) se manifestou sobre a operação. “No momento em que declaro irrestrita confiança no Poder Judiciário, venho a público lamentar a desnecessária operação. O secretário de Saúde, Francisco Araújo, e sua equipe sempre estiveram à disposição das autoridades para esclarecer quaisquer fatos”, disse o chefe do Executivo, por meio de nota. Conforme revelado pela coluna Grande Angular, Osnei Okumoto reassume a pasta da Saúde.

A ação é coordenada pela Assessoria Criminal e tem o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPDFT, e cumpre sete mandados de prisão e 44 de busca e apreensão.

A ação é coordenada pela Assessoria Criminal e tem o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPDFT, e cumpre sete mandados de prisão e 44 de busca e apreensão.

Eduardo Seara Machado Pojo do Rego, secretário adjunto de Gestão em SaúdeRoque de Sá/Agência Senado

A cúpula da Saúde foi presa durante desdobramento da primeira fase da Operação Falso Negativo, que ocorreu em julho no DF e em sete estados: Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Bahia e Espírito Santo.

As prisões foram decretadas pelo desembargador Humberto Adjuto, do Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), por causa da prerrogativa de foro. O magistrado é o mesmo que, na gestão passada, afastou a Mesa Diretora da Câmara Legislativa do DF (CLDF), na Operação Drácon.

Os mandados de busca são cumpridas em oito estados, onde estão as empresas fornecedoras dos testes. São eles: Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina, Mato Grosso, Espírito Santo e Rio Grande do Sul

A Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF) disse que acompanha a segunda fase da Operação Falso Negativo. “Caso venham a ser confirmadas as suspeitas, considera prioritária a desarticulação do esquema, sobretudo, em meio ao dramático cenário de pandemia que vivemos”, destacou.

Primeira fase da Operação Falso Negativo

Em julho, o MP e a PCDF cumpriram 74 mandados de busca e apreensão. O laboratório e a Farmácia Central da Secretaria de Saúde do DF foram alguns dos alvos dos investigadores, além da sede da pasta, na Asa Norte. Buscas também são feitas nas residências de servidores.

Os mandados foram deferidos pela Justiça Criminal de Brasília e decorrem de uma diligência iniciada no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPDFT.

São apurados os crimes de fraude à licitação, contra a ordem econômica, organização criminosa e corrupção ativa e passiva. Alguns dos alvos na primeira fase da operação foram: Jorge Antônio Chamon Júnior, diretor do Lacen; e Iohan Andrade Struck, subsecretário de Administração Geral da Secretaria de Saúde do DF.

Diferença de preços

Em 26 de junho, o Metrópoles mostrou que a Secretaria de Saúde pagou cinco preços nas compras de testes para diagnóstico do novo coronavírus. A diferença de valores entre a unidade mais barata e a mais cara chega a 154%.

Segundo consulta feita mediante a Lei de Acesso à Informação (LAI), os valores unitários dos lotes comprados para a testagem em massa foram de R$ 70, R$ 139,90, R$ 159, R$ 180 e R$ 186.

A compra, com dispensa de licitação, foi feita por servidores da Saúde do DF. Há indícios de que o grupo trocou as marcas dos testes, usando uma de baixa qualidade, comprometendo o resultado dos exames.

Segundo o MPDFT, “há fortes indícios de superfaturamento na aquisição dos insumos e ainda evidências de que marcas adquiridas seriam imprestáveis para a detecção eficiente de Covid-19 ou de baixa qualidade nessa detecção”. O somatório do valor das dispensas de licitação sob investigação supera o montante de R$ 73 milhões, dos quais R$ 30 milhões teriam sido sobrevalorizados. O processo corre em sigilo.

Detran do Paraná credencia empresa ALIAS TECNOLOGIA, que está ligada a diversos escândalos Brasil a fora. Eduardo Bekin é sócio de Rafael Candelot que é investigado na lava jato do Amapá juntamente com o Senador Randolf Rodrigues.

Essa empresa Aliás é investigada em Alagoas, Belém, Bahia, Santa Catarina e em Goiás, Rafael Candelot por sua vez é investigado e procurado pela força tarefa da Lava Jato após delação de diretor da Odebrecht Dr. BARRADAS.

Durmam com um barulho desses!

Atenção Diretor do Detran do Paraná investigue melhor essas empresas aí…

Blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio deixa prisão com processos e sob investigação!

Oswaldo Eustáquio é acusado de usar fake news como ferramenta de manipulação jurídica e prejudicar pessoas públicas e empresas idôneas

Nesta segunda-feira, o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio deixa a prisão no Distrito Federal, onde estava detido pela Operação Lume, da Polícia Federal, que apura a realização de atos antidemocráticos em Brasília. Ele está proibido de se aproximar a menos de um quilômetro da Praça dos Três Poderes (onde ficam o STF, o Palácio do Planalto e o Congresso) e manter contato com deputados, blogueiros e canais relacionados à investigação. O inquérito – o mesmo que prendeu a ativista Sara Giromini – tramita em sigilo no STF (Supremo Tribunal Federal).

A prisão do autointitulado ‘jornalista investigativo’, porém, não é o primeiro obstáculo jurídico à atividade de Eustáquio na internet. O blogueiro coleciona processos por difamação e danos morais por conta de supostas denúncias feitas por ele nos veículos que utiliza para propagar fake news e incitar o ódio.

Em fevereiro, Eustáquio foi condenado a pagar uma indenização de R$ 15 mil por danos morais ao jornalista Glenn Greenwald, editor do site “The Intercept Brasil”. No início de junho, o ex-deputado federal Jean Wyllys (PSOL) entrou com uma ação contra Eustáquio no Tribunal de Justiça do Rio e foi atendido em um pedido para que o bolsonarista fosse obrigado a retirar do Youtube um vídeo no qual o parlamentar era associado ao atentado à faca sofrido por Jair Bolsonaro em 2018.
Em seu perfil no Twitter, Jean Wyllys descreve o blogueiro como “um dos mais perigosos membros da organização criminosa bolsonarista encarregada de caluniar, difamar e injuriar autoridades e jornalistas, bem como ameaçá-los”.

A deputada federal Joice Hasselman, o youtuber Felipe Neto, os ex-ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Henrique Mandetta (Saúde) e o governador de São Paulo João Doria (PSBD) são algumas das figuras públicas vítimas dos ataques recentes de Eustáquio. No âmbito corporativo, em janeiro deste ano, o promotor de justiça Ronaldo de Paula Mion, do Ministério Público do Paraná (MP-PR), imputou sobre o blogueiro uma queixa-crime movida pela empresa Tecnobank, que acusa Eustáquio de difamação por meio de falsas acusações publicadas pelo blogueiro no desconhecido jornal Agora Paraná e impulsionadas nas redes sociais, com o objetivo de atingir a reputação da empresa, que trabalha com rigoroso sistema de compliance.

Casado com Sandra Terena, secretária nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), Eustáquio é acusado de utilizar dinheiro público para promover notícias da empresa Infosolo, investigada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na força-tarefa do MP-PR com as polícias Civil e Militar na Operação Taxa Alta, por irregularidades no Paraná. Entre os sócios da Infosolo estão Alexandre Georges e Basile Pantazis. A ‘família dos gregos’, como são conhecidos no Distrito Federal, investe agora em uma plataforma de streaming chamada Believe, apelidada de “Netflix dos Evangélicos”.

OSWALDO EUSTÁQUIO E SANDRA TERENA 🧐🧐

Esse Oswaldo Eustaquio, figura conhecida por aqui nessas bandas agora terrivelmente evangelico e sua Esposa Sandra Terena índia catequisada pelos Evangélicos e assessora da Ministra Damaris, dirige um Projeto ONG de “sequestro” nominado de salvamento de criancas nascidas nas tribos com problemas, algo Cultural que acontecia antes dos Primeiros Portugueses ou espanhóis chegassem, para serem adotadas geralmente por Familias extrangeiras alterando uma Cultura Milenar Tribal. Essa mesma Ministra que abrigava a ex-feminista e co-fundadora da Célula Femne no Brasil aquela dos protestos cheios de “beldades” de seios nus nos protestos e gritando #elenão, mas dai como um passe de magica ela ssi de Feminazi e Pró aborto pra Bolsonarista, da noite pro dia consegue cargo de assessora no Ministerio Damaris, isso devé ser um Fenômeno de transição ideológica, pode ter sido curada pelo Silas Malafaia ou Edir, pena que João de Deus já estava fora… portanto voltando para o Eustaquio esse cidadão nada mais é do que um grande oportunista e achacador de Blog… pedindo por favor para outros blogs e Jornais sobreviventes publicarem suas encomendadas matêrias, ou seja ta na hora disso mudar pq ta facil demais escrever o que convém num dia e no outro mudar o discurso… mas é TUDO por uma boa causa SEMPRE…!!!!!

Blogueiro bolsonarista OSWALDO EUSTÁQUIO é preso pela PF após tentar fugir do país!

Este Fiscalizador já tinha alertado que o mesmo estava praticando extorsão de empresários no DF.

A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, no inquérito que investiga apoio e organização de atos antidemocráticos, por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Eustáquio foi preso em Campo Grande (MS) e havia visitado recentemente uma cidade da fronteira do Brasil com o Paraguai. A prisão é temporária (com validade por cinco dias).

A PF suspeitava de que ele tentava fugir do país. Eustáquio já havia sido alvo de busca e apreensão solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) deflagrada no último dia 15, por sua relação com os atos que pedem o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF), mas não foi encontrado pela PF em seus endereços. Havia suspeita de que ele estava se escondendo das autoridades.

Analítico: Buscas que atingiram apoiadores de Bolsonaro têm mensagem do STF

O blogueiro estava sob investigação neste caso e era monitorado pela PF nos últimos dias. Ele é próximo da extremista Sara Giromini, que também havia sido presa, mas foi solta nesta semana sob a condição de que usasse tornozeleira eletrônica.

AnalíticoPrisão foi curta, mas bastará para Sara Giromini ter sua versão dos fatos

No início do governo de Jair Bolsonaro, Eustáquio atuava informalmente em Brasília se identificando como assessor de imprensa da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos Damares Alves. Ele é casado com a atual secretária nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Sandra Terena. Apesar de ter livre trânsito pelo ministério, ele não chegou a ser nomeado como assessor.PUBLICIDADE

Atos antidemocráticosParticipantes têm conexões políticas com bolsonarismo

O inquérito sobre os atos antidemocráticos busca provas do financiamento orquestrado da realização de atos pelo país nos últimos meses. O ministro Alexandre de Moraes autorizou, a pedido da PGR, a quebra de sigilo bancário de 37 alvos envolvidos nos atos, dentre eles 11 parlamentares alvo da investigação.

Em sua decisão que autorizou buscas e quebras, Moraes afirmou que existe “real possibilidade de associação criminosa” nesses atos.

Fonte: O GLOBO

EDUARDO PEDROSA PODE COLOCAR GDF EM ESTADO DE ALERTA! ATENÇÃO GOVERNADOR!!!

Eduardo Pedrosa foi preso em 2004 por participação em um esquema de fraudes em licitações para compras de hemoderivados no ministério da Saúde e aprovei o cenário atual (COVOD19) para atuar novamente.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, anunciou a compra emergencial de testes rápidos de Covid-19.

Onde empresas foram contempladas com contratos que somam R$ 65,8 milhões e uma dessas empresas tem como proprietário EDUARDO PEDROSA, mais conhecido como o VAMPIRO CHEIRA CHEIRA.

Uma dessas empresas é a Seletiva Brasil Comércio de Alimentos Ltda, que receberia R$ 20,1 milhões. Ela está registrada em nome do advogado Luis Gustavo Silva Barra, que vem a ser presidente do Sindicato de Empresas de Segurança Privada do Distrito Federal (Sindesp).

Além do Sindesp, Luis Gustavo aparece como sócio em oito empresas – duas delas com a participação de deputados distritais que apoiam o governo de Ibaneis.