MARIDO DA ASSESSORA DE DAMARES É LIGADO AOS GREGOS PANTAZIS E EDUARDO PEDROSA E TENTA EXTORQUIR EMPRESARIOS EM BRASILIA!!!


Oswaldo Eustáquio é LIGADO aos Gregos Pantazis que estão investigados no Detran do Paraná e em MG, Como podem ver, não há sequer uma matéria a respeito desse assunto (INFOSOLO SUPERFATUROU REGISTRO DE CONTRATOS NO PARANÁ – IRMÃ DE DANIEL CARDOSO, RAQUEL CARDOSO QUEM ESCREVEU TODAS AS PORTARIAS QUAIS DIRECIONAVA O SERVIÇO DE REGISTRO DE CONTRATOS SOMENTE A EMPRESA INFOSOLO) dentre outras reportagens que não só este fiscalizador como todos os outros meios de informação e comunicação no brasil veio a transparecer o tamanho da roubalheira que a empresa Infosolo fez no estado do PARANÁ.


No dia 28/03/2020 Oswaldo Eustaquio e seu capataz HUGO ALVES visitaram a casa do DIRETOR DE TECNOLOGIA DO BRB (HUMBERTO AUGUSTO COELHO) que está sendo investigado pelo TCDF pela denuncia de “apadrinhamento em coligada do BRB ” onde HUMBERTO é apontado como responsável por indicações que resultaram na admissão de novos funcionários.

E AGORA PARANÁ?

JOGO SUJO NO DETRAN RJ – DIRETOR TRABALHANDO A SERVIÇO DOS GREGOS EGÍPCIOS DA INFOSOLO AGINDO NO MESMO MODUS OPERANDI DOS DETRANS DE MG E PR.

Estranha manobra: Detran-RJ aumenta preço do gravame e reduz número de fornecedores

Medida vai na contramão das ações adotadas pelo governo Witzel para minimizar impactos sociais e econômicos do coronavírus

Das duas uma: ou o Detran-RJ é um território autônomo dentro da gestão de Wilson Witzel ou os esforços anunciados pelo governador para mitigar os efeitos do novo coronavírus no estado não passam de jogo de cena. A estatal decidiu aumentar de R$ 130 para R$ 410 o valor do registro eletrônico de contratos de financiamento de veículos, mais conhecido como gravame.

O reajuste vai na contramão das circunstâncias e de propostas já aventadas por Witzel para reduzir os custos da população durante a pandemia, entre as quais a suspensão das cobranças de água, luz e telefone. Em meio à maior crise de saúde pública da história recente do país e às portas de uma grave retração da economia, o cidadão do Rio terá de pagar três vezes mais pelo serviço.

Como se não bastasse o descolamento do reajuste com a realidade, tudo que diz respeito à decisão do Detran-RJ causa estranheza. Segundo o blog apurou, os bancos que atuam no financiamento de veículos não foram comunicados previamente. A medida foi publicada na edição desta sexta-feira, dia 20 de março, do Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro. Parece até que a estatal aproveitou o momento, em que todas as atenções se voltam ao coronavírus, para realizar o reajuste.

Autarquia restringe a apenas três empresas prestação de serviços e pode provocar cartelização
Outro ponto soa ainda mais insólito: o Detran-RJ vai restringir a prestação do serviço a apenas três empresas. Hoje, há 12 fornecedores habilitados – ou seja, um arco mais amplo de opções para os bancos responsáveis pela operação de crédito ao consumidor. Na prática, é um convite à cartelização do serviço, algo que o Ministério Público do Rio de Janeiro e o Tribunal de Contas do Estado costumam acompanhar com lupa em todas as estatais e órgãos públicos.

Além disso, segundo as regras estipuladas pelo Detran-RJ, as três primeiras empresas que apresentarem a documentação exigida serão credenciadas. Significa dizer que o Departamento de Trânsito criou uma espécie de gincana, uma corrida em que a velocidade vale mais do que a competência técnica. E, se por acaso, alguns competidores dessa prova já tiverem, propositadamente, largado na frente?

Nos corredores do Detran-RJ, a aposta é que duas empresas já estariam muito bem posicionadas nessa “disputa”: Infosolo e CBTI. Ambas trazem a reboque um currículo recheado de fatos controversos.

A Infosolo é acusada de irregularidades no Paraná. Relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCEPR) apontou que houve direcionamento de um edital do Detran-PR para a empresa. De acordo com o TCEPR, o contrato permitiu que a empresa dominasse o mercado de registros de financiamentos de veículos e gerou prejuízos para bancos e consumidores, com o encarecimento das taxas. Segundo a investigação da Corte, de outubro de 2018 a março de 2019, a Infosolo realizou 96% dos registros de financiamento no Paraná, faturando, em média, algo próximo a R$ 9 milhões.

Em novembro de 2019, o ex-diretor geral do Detran-PR Marcello Panizzi, foi preso durante uma operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público do Paraná que apura fraudes em licitação. Segundo o MP-PR, o processo de credenciamento das empresas responsáveis pelo gravame foi direcionado em benefício da Infosolo. De acordo com os procuradores, um dos indícios da fraude é o próprio valor cobrado pelo serviço. Até 2018, antes da nova licitação, a taxa era de aproximadamente R$ 150. Após o edital suspeito, os registros eletrônicos passaram a custar cerca de R$ 350.

Por sua vez, a CBTI, ao lado da própria Infosolo, esteve envolvida em suspeitas de irregularidades no Detran-MG. O Tribunal de Contas do Estado determinou a suspensão do contrato entre a estatal e as duas empresas para o registro eletrônico de financiamentos de veículos. Em 2018, CBTI e Infosolo embolsaram cerca de R$ 90 milhões com o serviço.

ATENÇÃO MPPR E MPMG OS GREGOS EGÍPCIOS ESTÃO EM ROTA DE FUGA!!!

Atenção MP do PR e MG!!!

Em meio à crise global do Covid-19, ainda mais agravada nos EUA e com dólar custando além de R$ 5,00, a família Pantazis, os Gregos Egípicios de Brasília, juntamente com seus sócios da Infosolo, deixaram o Brasil em voo privado para Miami após buscas e apreensões determinadas pela justiça. De lá irão direto para Grécia, onde eles tem dupla cidadania, com exceção do sócio De Luca, prontinho para fazer delação premiada.

“Alias” do Empresario Rafael Candelot compra matéria no Terra, os mesmos da Expressocard e Neoconsig investigados por lavagem de dinheiro e contas no Panamá.

Registro on-line de veículos é cada vez mais utilizado no Brasil.

O processo para o Registro de Contrato de Financiamento de Veículos é conhecido por ser um procedimento burocrático e demorado. Trabalhando no desenvolvimento de soluções tecnológicas que aprimorem a gestão e automação destes processos, a empresa Alias tem se expandido no mercado com a plataforma E-Registro.

Após a publicação da Resolução nº 689/2017 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que possibilitou que empresas registradoras se especializem e ofereçam um serviço com mais qualidade e melhor atendimento aos clientes, a ferramenta tem atraído olhares dentro do mercado.

Trata-se de uma ferramenta de solução informatizada e integrada para gestão, arquivamento e automação de registro de contratos e comunicação de venda de veículos. Com o E-Registro, é possível processar e gerenciar os dados e imagens enviados pelas instituições financeiras para efetivação dos registros dos contratos de financiamentos de veículos.

Com isso, o serviço de competência do Detran é aprimorado e os custos operacionais entre os bancos e financeiras são reduzidos. Além do processo ser realizado com maior agilidade e em conformidade com a legislação vigente.

No momento, o E-Registro já é utilizado nos estados do Paraná, Santa Catarina e Bahia, e está em fase de credenciamento em Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Vampiro faz com que a familia perca os contratos com o GDF – Tirou o governador pra dançar e acabou dançando só kkkkk

Proprietária da Dinâmica Serviços e da Esparta Segurança, a família Pedrosa decidiu, na virada para 2020, cancelar e rescindir todos os contratos com o poder público, a começar com o Governo do Distrito Federal (GDF). O grupo é conhecido por prestar serviços de limpeza e conservação em órgãos oficiais. A informação foi confirmada à coluna pelo empresário Eduardo Pedrosa, um dos herdeiros das empresas.

Segundo ele, apenas com o GDF, atualmente, a terceirizada mantinha dois contratos: um emergencial com a Secretaria de Saúde (SES) e outro com a Polícia Civil do DF (PCDF). O impacto direto sobre as duas rescisões resultará em cerca de R$ 5 milhões por mês a menos na conta do grupo empresarial. Se for para colocar na ponta do lápis, com os contratos de outros estados, esse valor pula para R$ 500 milhões por ano.

A decisão de romper os serviços foi da matriarca, Maria d’Apparecida Pedrosa, após a morte de Alba Pedrosa, filha que administrava todos os negócios. O óbito ocorreu em setembro de 2019 e, desde então, a avaliação de familiares é a de que os lucros obtidos não valem o desgaste político de contratar com o poder público.

A decisão atingirá diretamente 18 mil empregados, pouco mais de mil deles apenas no Distrito Federal. A maior parte será absorvida pelas novas contratadas dos governos, de acordo com a nova Lei da Terceirização. Outros serão reaproveitados internamente para serviços diversos.
Além do ramo empresarial, a família é conhecida em Brasília pela política. Eliana Pedrosa (Pros) foi deputada distrital por vários anos e chegou a concorrer nas últimas eleições como candidata ao Palácio do Buriti. Contudo, o sobrinho dela, Eduardo Pedrosa (PTC), que recebeu o mesmo nome do pai, foi eleito deputado distrital e tem mandato até 2022. Eles não integram a direção das empresas.

Procurado pela reportagem, o GDF confirmou o cancelamento do contrato com a terceirizada. “A Secretaria de Saúde informa que a empresa Dinâmica não presta mais serviços para a pasta por estar saindo do mercado. Outras empresas irão assumir os trabalhos”, resumiu