DENATRAN HUGO LEAL E SEU AMIGO MARCIO LIBERBAUM NO COMANDO DO DENATRAN

Assessor de deputado financiado por laboratório de trânsito assume Denatran Governo Bolsonaro diz que nomeação de diretor-geral foi por currículo; deputado nega indicação 12.fev.2019 às 8h00 EDIÇÃO IMPRESSA BRASÍLIA Fábio Fabrini O governo de Jair Bolsonaro nomeou o policial rodoviário Jerry Adriane Dias para chefiar o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Novo diretor-geral do órgão desde o fim de janeiro, ele era, até assumir o cargo, assessor parlamentar do deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ), alvo de ação por supostas fraudes em contratos do Detran-RJ (Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro) e cuja campanha foi financiada por laboratório que fatura com exames de condutores, credenciado e fiscalizado pelo Denatran. Deputado Hugo Leal na festa de Confraternizacao de fim de ano do escritório Bichara Advogados – 07.dez.2017/Mastrangelo Reino/Folhapress 27/03/2019 Assessor de deputado financiado por laboratório de trânsito assume Denatran – 12/02/2019 – Poder – Folha https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/02/assessor-de-deputado-financiado-por-laboratorio-de-transito-assume-denatran.shtml 2/2 Lotado no gabinete do congressista até 24 de janeiro, o ex-assessor assumiu na mesma data o órgão executivo máximo de trânsito no país. Cabe ao Denatran, entre outras atividades, autorizar, controlar e ditar as regras de atuação das empresas que fazem os chamados testes toxicológicos de larga janela de detecção para constatar o uso de drogas por motoristas de caminhões, carretas e ônibus. Eles são obrigatórios a cada um ano e meio ou dois anos e meio, conforme a idade do condutor. Nas eleições de 2018, Leal recebeu R$ 198,5 mil de três sócios do Labet, maior empresa desse mercado. As doações representaram 20% do que o ex-chefe do novo diretor-geral recebeu de pessoas físicas para a campanha (R$ 967,6 mil) – o restante (R$ 950 mil) veio do fundo partidário, verba de origem pública. No ano passado, o Labet foi o responsável por cerca de 35% dos exames toxicológicos no país. A estimativa, com base na quantidade de testes realizada, é de que os 11 laboratórios credenciados para a atividade tenham faturado R$ 385 milhões em 2018. Além de licenciar e fiscalizar in loco essas empresas, cabe ao Denatran analisar as auditorias de qualidade apresentadas por elas anualmente e aplicar sanções por descumprimento de regras, que vão da advertência à revogação do credenciamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *